A tarde era fria e chuvosa, pra completar o ambiente a energia foi interrompida, sentei no sofá para esperar, fechei meus olhos por um instante, então de repente vi meus discos jogados sobre a estante, empoeirados e fora de ordem. Por um momento não me importei, achei que não me serviriam mais, acreditei que faziam parte apenas do meu passado, estava completamente enganado.

Observando atentamente aquela imagem, como eu poderia ser feliz hoje sem tê-los ouvido? Certamente não seria. Alguns discos e músicas mais marcantes que outros, alguns de som mais pesado outros mais leves, algumas baladas, mas nenhum disco ou música sem importância.

Não há como ignorar, aquelas “velharias” são parte da minha vida, cada disco uma história, cada música uma lembrança, cada momento sentado no sofá ouvindo e analisando as capas e os encartes, todos esses momentos fazem parte de mim, fazem parte de quem eu sou. Como deixá-los jogados assim? Não tem como.

Olhando para trás, analisando os meus discos, vejo erros e acertos, mas não posso simplesmente largá-los assim. Tenho que reorganizar tudo, colocar cada um em seu devido lugar, talvez eu chore com alguns, mas sei que vou sorrir mais, alguns eu farei questão de nunca mais ouvir, outros estarão sempre vivos em minha memória.

Há pra tudo em nossas vidas. Tempo de recomeçar, tempo de reagir, tempo de olhar para trás e tirar proveito de cada disco, de cada música, de cada momento vivido, talvez nem todos tenham sido perfeitos, com certeza muito ou ganhei ao ouvir cada música, muito me acrescentou ao completar cada disco.

Olho para cada um deles com carinho, lembro de cada instante, com certeza eles ficarão lá na estante da minha vida, não há como apaga-los, não posso nem consigo.

Espero que você ao terminar de ler este texto não perceba que sua estante está vazia.

Comentários
Compartilha no FB!