26 de junho de 2016

O fogo queima! Não tenha cuidado! (Manifesto Prometeu)

Tem um baita cara que disse assim uma vez:

“Quando a educação não é libertadora, o sonho do oprimido é se tornar o opressor”

É essa citação faz todo sentido sobre o que vou falar, vou falar sobre o “Manifesto Prometeu” uma peça de teatro que assisti nessa sexta-feira dia 24 de junho de 2016, mas quem é Prometeu? E que manifesto que ele está fazendo?

Essas são perguntas que são respondidas logo no início da peça, mas vou te dar um resumo bem básico da coisa. Prometeu, filho de Zeus, não concordava como o Olimpo -como um todo- tratava os homens mortais, Prometeu achava que os homens podiam mais, que bastava alguém que os ajudasse, que alguém os desse a luz, que alguém mostrasse o caminho e com isso na cabeça, Prometeu roubou o fogo de Zeus e deu aos humanos, mas o que é esse Fogo?

O fogo é a liberdade, o fogo é o conhecimento, o fogo é esse desejo de mudar, sente? Então a partir de agora, deixe que o fogo te queime!

A peça de uma maneira densa, misturando e viajando da Grécia antiga pra atualidade a todo momento, faz o paralelo do que Prometeu viveu e sofreu por ter roubado o fogo de Zeus, em prol de partilhar o conhecimento e liberdade para os humanos, com o que os estudantes secundaristas vivem hoje, fazem analogias como se os deuses fossem o governo e seus lacaios a PM, e vão brincando ao decorrer da peça com essas semelhanças, trazem as parcas que controlavam o destino no tempo de Prometeu e hoje dizem que as parcas têm outra “forma” ($$$), se é que me entendem… Fazem questão de reforçar que cada estudante é o Prometeu, que o Prometeu de alguma forma queima hoje dentro deles, assim como Prometeu lutou, os estudantes hoje lutam, e com esse formato ao longo da peça levantam questões como críticas ao sistema de ensino, crítica de como a mídia trata o tema das ocupações nas escolas, crítica ao mundo machista e por aí seguem.

Seria pedir demais falar cena por cena nesse curto texto, mas uma cena que vale ser lembrada aqui é a cena das mulheres, a cena se resume em elas se darem as mãos e formarem uma corrente, e que corrente poderosa! Cada menina tem seu momento de falar, de dizer o que as amedronta e como é viver para elas, nesse momento foi difícil conter qualquer lágrima, guarde o lenço para esse momento.

Todas as questões que eles levantam, são jogadas nas nossas caras diariamente nos jornais, mas será que a gente se questiona como deveria? Você seria o Prometeu se necessário?

A peça é dívida em aulas, são nove ao total e no final fiquei me perguntando se a décima aula ainda estaria por vir, será que nós um dia alunos, será que eles ainda alunos vão nos apresentar essa décima aula?

Meu objetivo com esse texto aqui, agora, passou a ser outro além de falar apenas sobre a peça, meu objetivo aqui, agora, é propagar a mensagem que eles quiseram espalhar, a mensagem que eles também estão ecoando por aí, e agora passo a ser mais uma voz que vai gritar, e eles gritaram, resta saber se você vai gritar também.

E se tudo parecer difícil e for desmoronar
E se tudo parecer o fim
Faz de mim, o recomeço
Pega na minha mão e me levanta desse tropeço
Juntos somos muito mais do que sozinhos poderíamos ser
“Nós somos prometeu, queime e se transforme.”

Compartilha no FB!
SHARE:
Entretenimento, Teatro 0 Replies to “O fogo queima! Não tenha cuidado! (Manifesto Prometeu)”