14 de maio de 2016

Dias melhores não virão

A semana foi ingrata para a história brasileira. No dia 11 de maio, morre o grande intelectual economista, diplomata de carreira, professor e verdadeiro patriota (a despeito de alguns “mitos” admirados por uma parte da direita) Adriano Benayon. Enquanto que na manhã da quinta-feira, assumiu o poder da presidência da república o interino Michel Temer, acusado pelo Wikileaks (organização que descobriu os escândalos de espionagem norte-americanos) de ser informante dos EUA no Brasil¹.

Talvez esse novo acontecimento seja herança da nossa cultura de colônia. Desde nosso “descobrimento” até a fundação da República, somos um país organizado para atender interesses externos e de milionários entreguistas pouco preocupados com um projeto de desenvolvimento nacional. Algumas pessoas não vem os fatos marcantes e graves da história – o regime militar passou despercebido e ignorado (por alguns propositalmente) por muita “gente de bem” e como dizem: “a história não perdoa”.

Alguns comemoram como se fosse “o PT que perdeu”. Ora, quem está perdendo e continuará perdendo é o Brasil e mais especificamente, a classe trabalhadora – pobres e classe média inclusos. O processo de impeachment também abriu precedentes para arbitrariedades futuras. Quem apoiou, concordou ou se omitiu com a forma que foi julgado esse processo não poderá reclamar futuramente (e a nossa história nos mostra como isso já aconteceu várias vezes antes) quando os mesmos jogos sujos forem usados para derrubar outros presidentes democraticamente eleitos, que talvez sejam melhor do que Lula ou Dilma.

Antes do resultado da votação no Senado o interino Temer já anunciava seu programa de governo: a ponte para o futuro. Se lermos apenas o que está escrito pelo programa da Fundação Ulysses Guimarães parece até algo bom para o país. Porém, a lição que a política nos ensina é olhar além das aparências, ler as entrelinhas dos discursos dos oradores. É evidente que o que vem a seguir será a velha política econômica entreguista e subalterna dos tempos de Fernando Henrique Cardoso. Quando parece que o Brasil pode seguir um caminho diferente dos que os ditados pelo FMI, percebemos como a propaganda da democracia representativa e a autodeterminação dos povos da nossa Carta Magna estão no mundo das ideias.

As primeiras horas de governo de Temer já confirmam o que todos já sabiam: um governo totalmente retrógrado e reacionário. Talvez o fato de não ter nomeado nenhuma mulher para os ministérios nem seja o pior (nomear a rainha da motosserra, Katia Abreu, apenas por ser mulher não é muito louvável), mas o interino conspirador nomeou 3 investigados pela Lava-jato, dando foro privilegiado a esses, e claro, a indignação seletiva não fez protesto, não bateu panela e nem saiu buzinando nos seus carros na 23 de maio, como fizeram quando Dilma nomeou Lula como ministro. Entre os indicados estão:

  • Planejamento – Romero Jucá (PMDB) – investigado em dois inquéritos no STF.
  • Casa Civil – Eliseu Padilha – investigado por peculato, mas teve seu processo arquivado.
  • Secretaria – Geddel Vieira – citado na Lava-jato.
  • Cidades – Bruno Araújo (PSDB) – teve o nome na lista de pagamentos da Lava-jato.
  • Saúde – Ricardo Barros (PP) – investigado por fraude em licitação.
  • Segurança Institucional – Sérgio Etchegoyen – defendeu o pai torturador do regime militar contra a Comissão Nacional da Verdade.
  • MDIC – Marcos Pereira – pastor da Universal, que antes iria para a Ciência e Tecnologia e por negociata, acabou conseguindo o de Comércio Exterior.
  • Relações Exteriores – Jose Serra (PSDB) (um dos piores) – notório rato entreguista que já tinha intenções de entregar nosso petróleo há muito tempo.
  • Justiça e Cidadania – Alexandre de Moraes – foi Secretário se Segurança do governo Alckmin nem precisaria dizer mais nada, né? Mas para não passar batido:
    • Responsável por mandar a PM espancar jovens e estudantes em protestos
    • Advogado de empresas ligadas ao PCC
    • Avisou que “movimentos sociais serão combatidos como crimes”

Entre outras aberrações políticas que podem ser conferidas aqui

José-Serra

Isso para mostrar a hipocrisia e desonestidade dos que clamaram o impeachment como um ato de justiça e combate a corrupção.

Não é preciso ser um grande economista ou um vidente para prever o que vem nos próximos anos: um golpe duro para a classe trabalhadora – claro, quem paga as crises é sempre ela. Para os ricos, pouca coisa mudará, como sempre, seus patrimônios estarão intactos, a concentração de renda continuará aumentando e os banqueiros continuarão fazendo a festa com nossos maiores juros do mundo. Para a classe média, da parte que sonha com Miami, produtos importados, viagem para a Europa, carros luxuosos e nenhum imposto – essa mesma que demonizou o governo petista como o maior inimigo de suas aspirações e achou que após o impedimento tudo voltaria ao “normal” – ficará a berlinda desse novo governo ultrarreacionário e será oprimida pelo seu projeto econômico neoliberal, onde essa classe continuará com a mesma ou maior dose de tributação e os aumentos das despesas fixas. Para os pobres… bem, os pobres já estão acostumados com esse estado que inexiste para protege-los, mas é gigante para reprimi-los de qualquer revolta. Estes viram alguma melhora com os 14 anos de PT, porém pela própria falta de planejamento a longo prazo e, pelas demandas exigidas pela governabilidade conciliadora do projeto petista, vão ver seus poucos ganhos devastados, para sabe-se lá quando, recuperá-los outra vez.

É bom se prepararem, dias duros virão.

—-

Links:

http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/05/1771016-wikileaks-diz-que-michel-temer-atuou-como-informante-dos-eua.shtml

http://noticias.band.uol.com.br/brasil/noticia/100000806281/michel-temer-foi-informante-dos-eua-diz-wikileaks.html

http://epoca.globo.com/tempo/noticia/2016/05/dilma-e-afastada-e-temer-assume-o-governo.html

http://extra.globo.com/noticias/brasil/cunha-pcc-repressao-policial-passado-polemico-de-alexandre-de-moraes-novo-ministro-da-justica-cidadania-19293131.html

http://www.bbc.com/portuguese/brasil/2016/05/160509_ministros_temer_if_rm

https://gz.diarioliberdade.org/artigos-em-destaque/item/8379-morre-o-economista-escritor-e-anti-imperialista-adriano-benayon.html#.VzcBFJErLIU

http://www.pragmatismopolitico.com.br/2016/05/bispo-da-universal-aceita-convite-de-michel-temer-para-ser-ministro.html

 

 

Compartilha no FB!
SHARE:
Opinião 0 Replies to “Dias melhores não virão”